Hidratado “de lado” nas distribuidoras sem apoio da gasolina, que voltou a aumentar a defasagem

Usinas Indústria Etanol Bicombustível
Etanol tem ganho na usina pela menor oferta de safra, mas segue sem competitividade frente à gasolina (Imagem: Reuters/Paulo Whitaker)

O etanol hidratado andou de lado nos preços cobrados pelas distribuidoras nos dois primeiros dias da semana, mostrando menos força da demanda, enquanto a gasolina segue sem injetar mais competitividade ao renovável.

O último reajuste dado pela Petrobras (PETR4) nas refinarias foi em 12 de agosto, de 3,34%.

Nesta quarta (22), o petróleo voltou aos US$ 75,30 o barril, pelo segundo dia de alta, o mesmo patamar do dia 17, quando a Abicom, entidade dos importadores de combustíveis, registrou defasagem de R$ 0,27 (menos 9%) no litro da gasolina, como foi antecipado por Money Times.

Portanto, o concorrente do etanol também retornou à mesma faixa na comparação com os preços internacionais, contra os menos R$ 0,20 da terça, pelas contas da Abicom.

O hidratado manteve os R$ 3,350 por litro nas bases distribuidoras de Paulínia, até ontem, e na usina, na semana passada, obteve alta de 0,83% (R$ 3,2635), seguindo várias semanas de ganhos apoiados na menor oferta de safra prejudicada pela quebra – e com maior priorização do etanol anidro.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

FONTE: MONEY TIMES

Total
0
Shares
Previous Article

Dólar em baixa diminui negócios da soja

Next Article

Pesquisa: 7 em cada 10 consumidores realizam até cinco compras pela internet por mês

Related Posts